Ocean’s Calling
15 de outubro 2020

Fica a conhecer as ideias finalistas no concurso Ocean's Calling, um concurso para debater a necessidade de soluções que reduzam o lixo marinho.

O concurso Ocean’s Calling, promovido pela Sociedade Ponto Verde, já tem vencedor: as embalagens Seaclic, da Storopack. Mas todos os nove finalistas apresentaram projetos de mérito, que vale a pena conhecer. Estes projetos estão em foco num podcast , através do qual a SPV se propôs debater a necessidade de soluções que reduzam o lixo marinho.

O podcast contou com a participação do ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, da secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, do diretor de Serviços de Ambiente Marinho e Sustentabilidade da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, José Manuel Marques, e da CEO/Administradora Delegada da SPV, Ana Isabel Trigo Morais. Participou igualmente Anthony Mahe, Material and Sustainability Manager Europe / Molding Division from Storopack, precisamente a empresa vencedora do concurso.

Nas conclusões deste encontro virtual ficou claro que a aposta na inovação, na investigação e no desenvolvimento é essencial para a redução do lixo marinho.

Inserido no projeto OCEANWISE, o Ocean´s Calling pretendeu promover e desenvolver soluções que conduzissem a melhores práticas de uso, produção, recolha e reciclagem de produtos de poliestireno expandido e extrudido (EPS e XPS), genericamente conhecidos como esferovite, oferecendo um prémio à ideia mais interessante.

E, dos nove projetos que chegaram à final, sagraram-se vencedoras as embalagens Seaclic, caixas de transporte de alimentos sensíveis à temperatura capazes de substituir as de EPS. Estas embalagens são produzidas recorrendo a um plástico criado a partir de diversas matérias primas renováveis e são compostáveis industrialmente. O material permite manter o frio e a segurança do transporte com um sistema de fecho que evita a utilização de fita adesiva. O responsável deste projeto, Anthony Mahe, acrescenta que este produto “responde às principais questões de sustentabilidade, evita o desperdício de alimentos com as suas propriedades de alto isolamento e reduz as emissões de CO2 durante o transporte, graças à sua leveza”.

Todos os projetos são, porém, inovadores, razão mais do que suficiente para conhecer os as outras oito ideias que chegaram à final:

  • BSEArcular – consiste na recolha destes plásticos do Mar Mediterrâneo para fabricar tecido e encaminhá-lo, posteriormente, para utilização em design de moda em ambiente universitário.
  • Bioworld –Temem vista uma solução de embalagem biodegradável através de resíduos da Indústria alimentar e outras matérias-primas naturais para produzir biopolímeros biodegradáveis e com princípios bioativos. O objetivo passa por criar embalagens resistentes durante a utilização e que solucionassem a impossibilidade de reciclagem.
  • Brigada do Mar – Criou o movimento #stopthesnowballeffect, que consistia numa instalação artística em formato de bola utilizando o material EPS e XPS. O objetivo era ir fazendo a bola crescer, alertando para o problema do descarte incorreto destes resíduos.
  • Poseidon – Propõe-secriar uma estratégia de biorremediação para eliminar os microplásticos do ambiente. O objetivo é partir de um processo biotecnológico que utiliza microrganismos capazes de metabolizar microplásticos, transformando-os noutros subprodutos.
  • (Re)SHAPE THE SEA – Visava iniciar um estudo sobre este material e promover um concurso voltado para alunos de escolas ligadas ao design, de modo a eleger três soluções de eco design.
  • Route Portugal Expedition – Planeou uma viagem de dois meses pela costa portuguesa, que tinha como foco monitorizar resíduos sólidos, com destaque para o descarte incorreto. O objetivo era preservar as praias e consciencializar a população local através da educação ambiental, promovendo, para isso, a preservação do meio ambiente e encorajando um estilo de vida mais consciente.
  • SeaFilm – Procura a substituição de materiais sintéticos de embalamento de peixe congelado através de um biomaterial à base de macroalgas marinhas com o intuito de contribuir tanto para a redução de plástico de uso único, como para a redução do desperdício alimentar.
  • SUMBOX – Trata-se de uma caixa térmica de cartão 100% reciclável, desenhada para a indústria de peixe e marisco e com a possibilidade de ser completamente personalizável.

O Ocean’s Calling veio mostrar que existe um caminho possível para a adoção de novas e melhores práticas para reduzir o impacto do EPS no nordeste do Oceano Atlântico, e que, quando o tema é a sustentabilidade, ideias fora da caixa não faltam.

notícia anterior

Sabes onde é que fica a primeira Reserva Mundial de Surf na Europa? Damos-te uma pista, não é muito longe de Lisboa...

próxima notícia

Quando a sustentabilidade marca… gooolo: As medidas que vão tornar o regresso aos estádios mais verde!

Copyright, Academia Ponto Verde